quinta-feira, 3 de março de 2011

Coerção Social




Você sabe o que é coerção?
Não?! É isso que dá usar suas aulas de sociologia para jogar Guitar Hero no celular, paquerar o bonitinho da turma, ou compensar a noite que passou assistindo RedTube cochilando na aula. Se tivesse prestado atenção, não estaria agora com essa cara de tonto lendo isso e pensando: Nossa! Como ela sabe disso?
Segundo o grande oráculo, aquele que tudo sabe, o conhecedor de todas as coisas (não, dessa vez não estou falando de Deus), o grande mestre, Wikipédia:
- Coerção é o ato de induzir, pressionar ou compelir alguém a fazer algo pela força, intimidação ou ameaça.
Logo, coerção social, é o poder da sociedade de induzir as pessoas a agirem de acordo com seus princípios. Agora você deve estar pensando: Ah, isso é bobagem, eu sou independente, não sou um fantoche da sociedade.
Engano seu, meu amigo! Duvida? Então, porque você usa roupas? Porque você não resolve trocar o real pelo dinheirinho do Banco Imobiliário? Porque você vota? Por quê? Por quê? Por quê?
Parou para pensar não é mesmo? Muito bem! Continue assim! Agora, raciocine comigo. Você já parou para observar como as pessoas estão cada vez mais “parecidas”. Todos ouvem as mesmas musicas, assistem às mesmas novelas, se vestem sempre com o mesmo tipo de roupa, tem o mesmo pensamento alienado. E por quê? Pois a sociedade tem esse poder. Todos os dias somos bombardeados de mensagens (disfarçadas ou não) mostrando como devemos agir, o que temos que fazer para nos encaixar, o que não devemos fazer para não sermos REBELDES, LOUCOS, INCONSEQUENTES. Eu mesma sofro coerção na minha própria casa, pois enquanto tenho de aturar forró e swingueira no volume máximo todos os dias, quando coloco blues ou rock tenho que ouvir apenas no meu quarto, sem poder aumentar o volume, senão minha mãe briga e desliga (sim, isso é uma denuncia!).
Mas você já parou para pensar quem decide o que é certo ou errado? Quem resolveu que se você tiver tatuagens você não é responsável e não merece arranjar emprego? Quem decidiu que o certo é se formar, arranjar um emprego, casar e ter filhos? Quem decidiu que se você ouve rock, é um drogado? Ou se você é inteligente, não tem vida social? Quem ordenou que é preciso ser magra para ser bonita? E meu Deus, por favor, responda quem foi que teve a idéia de que ouvir “eu não, quero não, minha mulher não deixa não” era algo legal a se fazer?
Você já parou para pensar nisso? Pois pense! Tente observar ao seu redor tudo que a sociedade nos obriga a ser. Não que agora você deva andar pelado, entrar para uma tribo hippie (nada contra os hippies), ou tentar implantar uma anarquia e não dar a mínima para nada. Calma! Lembre-se que é importante respeitar os outros. Mas a partir de hoje, esqueça todos os rótulos, o preconceito, os tabus. Liberte-se dessa lavagem cerebral! Viva de um jeito que lhe deixe feliz, sem destruir ninguém (nem você mesmo). Pois você não precisa fazer Medicina para ser rico, nem morrer de fome para ficar magra, ou usar as roupas da moda, nem ouvir essas “musicas” sem conteúdo de hoje.
Não seja apenas um objeto pré-moldado. Seja você mesmo! Pense, observe! Tire suas próprias conclusões sobre a vida, não deixe seu cérebro dentro de um pote, deixando os outros pensarem por você.
----------------------------------------------------------------
PS¹: Tema sugerido por Raul Bonfim, que faz Ciências Sociais na UFPI. Espero que tenha gostado, fiz o melhor que pude, eu acho.
PS²: [Infelizmente] não estou recebendo absolutamente nada com toda essa propaganda no texto, mas se alguém quiser pagar, fique a vontade. Mas se não gostou e quiser me processar, faz isso não, quase ninguém lê isso mesmo.

8 comentários:

louanysensação disse...

eii 1° lugar eu li, e sou alguém... huashuas
gostei vc tem toda razão somos ou quase todos somos um bando de mediocres alienados, isso não é nada bom... haha gostei:p

Jessica Soares disse...

kkkk'
Mas temos de concordar q isso fica meio abandonadinho as vezes ^ ^
Infelizmene isso é verdade, por isso tenho pena da humanidade, pobres iludidos. u.u
----------------------
PS: COMUNICADO: o texto anterior foi postado por engano, era apenas um rascunho, agora sim é o revisado. Sorry!

Ariane disse...

Nossa se isso chegasse em algumas casas de nossa cidade, o índice de suicídios aumentaria em pelo menos 10%. Mas é a pura verdade, rótulos, preconceitos, comodismo*. Já nascemos com tampões nos olhos. Mas sempre pode-se fazer algo, não? Ótimo texto. Te indicar um filme, que mostra um pouco isso: Capitalismo, Uma historia de amor.(parei de ir ao shopping aos domingos depois dele) rs. Beijão!

César Costabboy disse...

é o sistema corrompendo muitos. somos pooucos mas somos loucos, faço minha parte pensando diferente!!!

Jessica Soares disse...

Ariane: Nossa! Pois a situação seria tensa pois se não me engano, Teresina é uma das cidades com maior indice de suicidios do Brasil. Que bom que gostou do texto, volte sempre!
Sobre o filme, coincidentemente, aluguei hoje, antes de ler seu comentario, vou assistir de madrugada ^ ^

Cesar: Olá pessoa sumida! Falou pouco mas falou profundo!

Anna Cecilia disse...

Olá Jéssica! Sou Anna lá do blog Útil ao Inútil! Dei uma olhada no seu blog e ele é muito legal! Tá de parabéns! Resolvi comentar nesse texto porque acho que ele complementa o meu sobre padrões de beleza impostos...
Adorei seus questionamentos!
A partir de hoje vou acompanhar seu blog!
Beijos

Caso algum leitor daqui tenha ficado curioso... Rs
www.utilaoinutil.blogspot.com

Anônimo disse...

Muito boa a postagem!! Ameii, não conhecia o blog, mas agora vou entrar sempre!! Bjsss

Anônimo disse...

Concordo PLENAMENTE! Em todos os pontos com tudo nesse seu artigo!
Vou visitar mais vezes esse seu blog, conteúdo muito interessante e muito pertinente (: